O COMERCIO JUSTO COMO FONTE DE OPORTUNIDADES E JUSTIÇA SOCIAL
Sex, 26 de Maio de 2017 15:26

Autores:

Alessandro Romeiro de Jesus

Elias Alves de Souza

Ester Gomes Ferreira

Martin Gerardo Caeiro

Sirlei Vicente Ferreira Carneiro

 

Goianésia-GO, 2017

 

O presente trabalho tem como finalidade desenvolver nos educandos da escola Luiz

Cesar de Siqueira Melo o sentido de valores, sensibilizando-os sobre a importância do

Comercio Justo. É por isso que se torna de fundamental importância educar à cidadania,

concretamente aos jovens, nos valores que devemos adotar como sociedade responsável e

solidaria para poder reivindicar e lutar de forma ativa por um mundo mais justo para todos.

 

INTRODUÇÃO

A Organização Mundial do Comercio Justo define o termino Comercio Justo como um

sistema comercial baseado no diálogo, a transparência e o respeito, que busca uma maior

igualdade no comercio internacional com foco nos critérios sociais e meio ambientais,

contribuindo ao desenvolvimento sustentável oferecendo maiores condições comerciais e

assegurando os direitos dos produtores/as e trabalhadores/as desfavorecidos.

O Modelo de Comercio Justo é ainda desconhecido para grande parte da população. A

possibilidade de desenvolver projetos focados na importância do Comercio Justo no mundo

na só faz referência a dialogar em como consumir de forma responsável e consciente, mas

permite falar de todos os aspectos pelos que devemos lutar para criar uma sociedade

igualitária que não exclua na criação de oportunidades para todos das práticas comerciais

justas, de desenvolvimento de capacidades, de respeito ao meio ambiente, dos Direitos

Humanos, a exploração infantil, etc.

De acordo com Montessori (1870) a educação é considerada como ajuda para o

desenvolvimento do homem que está em processo de crescimento. A maioria dos conceitos

desta educadora integram o movimento chamado Escola Nova onde a educação prepara as

pessoas para a vida em geral, especialmente para a vida em sociedade, pelo que se trata de

uma educação total: moral, física, intelectual e espiritual.

É por isso que na Escola Luiz Cesar entendemos à educação como algo primordial no

ser humano, indispensável para o seu desenvolvimento contínuo.

Miguel Martinez Martim (2010) destaca que a educação de valores é compreendida

como a educação que possibilita aprender, construir e estimar valores que fazem que sejamos

livres e, principalmente, iguais entre nós, tendo estilos de vida baseados no respeito e na

responsabilidade para contribuirmos a fazer a vida de todos mais digna.

A educação de valores é muito importante em todos os aspectos da vida, mas, deveria

estar inserido no currículo da escola com a finalidade de contribuir à promoção de

compromisso e transformação social com um analise critico dos modelos de cidadania atuais,

já que vivemos numa sociedade que se evolui velozmente e é difícil achar espaços para pensar

e analisar o que está acontecendo com o mundo, seja mantendo uma vida saudável, respeitosa

com o meio ambiente, uma sociedade que impulsa a igualdade de gênero ou que cria

movimentos solidários onde a cidadania possa decidir que modelo de sociedade quer.

Todos nós somos consumidores de produtos e temos o direito de decidir o que, como,

onde e a que preço compramos. Mas, na hora de comprar, devemos ser conscientes de como

reflete este produto no meio ambiente, na sociedade e nos Direitos Humanos.

 

PÚBLICO ALVO:

Alunos do Ensino Fundamental II da Escola Luiz César de Siqueira Melo, mantida pela

Fundação Jalles Machado.

 

JUSTIFICATIVA

O presente trabalho se propõe desenvolver um Projeto Educacional que tem em vista

os Valores centrados na sensibilização da importância do Comercio Justo entre os estudantes

do Ensino Fundamental II da escola Luiz Cesar de Siqueira Melo.

 

MARCO CONCEITUAL

Vivemos num mundo desigual e injusto onde não todas as pessoas tem as mesmas

oportunidades de ter uma vida digna, onde todos os dias são vulnerados os Direitos Humanos.

Por isso, é fundamental educar os cidadãos, em especial os jovens, nos valores éticos onde

prevaleça a pessoa humana. Como sociedade devemos dotar as ferramentas para criar a

consciência crítica sobro o que está acontecendo e podermos posicionar, reivindicar e lutar de

forma ativa e pacifica por um mundo mais justo para todas as pessoas.

 

OBJETIVO GERAL

Fomentar entre os alunos da escola Luiz Cesar de Siqueira Melo o espírito

participativo no que se refere ao desenvolvimento para a consolidação do Comercio Justo e

Solidário com o intuito de contribuir na melhora das condições de sustentabilidade e

competitividade dos produtores rurais e dos micro e pequenos empreendedores.

 

OBJETIVO ESPECÍFICO

Estão considerados neste projeto como objetivos específicos:

Destacar a importância do Comercio Justo como ferramenta para o câmbio social.

Refletir sobre o papel do Educador Social no âmbito da sensibilização da Educação de

Valores.

Criar um projeto de Sensibilização em Comercio Justo para desenvolver na Educação

Fundamental II.

Destacar a importância que tem os jovens com agentes de mudança na sociedade.

 

PROBLEMÁTICA

Hoje em dia o capitalismo do neoliberalismo é insustentável porque a ambição das

grandes corporações é desmedida e as vezes desumana. As regras que regem o livre mercado

estão cada vez mais longe das economias locais de pequena escala já que o neoliberalismo

busca controlar todo, e é por isso que esta situação deve ser regulada.

A Economia Solidaria ou Comercio Justo é um tipo de economia, uma forma de

produção, de consumo e distribuição das riquezas centrada na valorização da pessoa humana e

não na priorização do capital.

 

CONTEÚDO CURRICULAR RELACIONADO:

- Educação para a Cidadania: focando conhecer as causas que provocam a pobreza e a

desigualdade, valorar ações participativas que permitam conhecer criticamente o atual modelo

de consumo, promover a socialização, a luta contra a pobreza, o papel dos organismos

internacionais, etc.

Ciências Sociais, Geografia e História: Conhecer situações discriminatórias e injustas dos

diferentes povos, grupos sociais e pessoas privadas de direitos e recursos econômicos

mínimos devido à distribuição desigual das riquezas no mundo atual, as políticas de

cooperação norte-sul, o consumo racional dos recursos, etc.

Ciências da Natureza: Serão abordados os conteúdos do campo da Biologia e Geologia, tais

como a escassez de água, as mudanças climáticas, a fertilidade do solo e os impactos

culturais, econômicos e sociais, etc.

 

METODOLOGIA

Reuniões do grupo em datas pautadas segundo planejamento;

Palestras;

Seção de vídeos;

Pesquisas;

Entrevistas com diretores e colaboradores das unidades produtoras;

Dramatizações;

 

PERÍODO DE EXECUÇÃO:

O presente projeto será desenvolvido no período de 02/05 a 12/06 de 2017.

 

CRONOGRAMA

02/05/2017 à 02/06/2017 Participarão da atividade, os alunos do ensino fundamental II,

organizados em momentos diferentes e utilizando linguagem diferente para cada nível.

Proporcionando aos alunos experiências diversas e diferenciadas com metodologia que

permita debater durante o seminário contribuindo à Solidariedade.

 

05/06/2017 Palestra com o tema “Comercio Justo”, palestrante: Otávio Lage de Siqueira Filho.

 

10/06/2017 Aula de campo: Fazenda Ecoturismo Santa Branca. Turma: 7° ano fundamental

II. Objetivo: Propiciar atividades lúdicas e educação ambiental para incentivar o aluno a

observar e conhecer o bioma do cerrado e sua importância para a conservação dos recursos

hídricos do Brasil.

 

20/06/2017 Aula de campo: Horta da escola Luiz César de Siqueira Melo. Turma: 6° ano

fundamental II. Objetivo: Alimentação Alternativa e Hortas, transmitir conhecimentos

voltados para um maior aproveitamento das hortaliças na alimentação.

 

21/06/2017 Aula de campo: Gerenciamento de Recursos Hídricos. Turma: 7° ano

fundamental II. Objetivo: As alternativas para aproveitar os recursos hídricos considerando a

distribuição equitativa e uso racional, priorizando o desenvolvimento social e econômico para

minimizar os impactos ambientais.

 

22/06/2017 Aula de campo: Gerenciamento de Resíduos. Turma: 8° ano fundamental II.

Objetivo: A importância do correto tratamento dos resíduos gerados pela sociedade, já que o

uso de embalagens biodegradáveis é promovido pelo comércio.

 

23/06/2017 Aula de campo: Educação para o Trabalhador. Turma: 9° ano fundamental II.

Objetivo: Educar os nossos jovens para transformá-los em trabalhadores envolvidos que

tenham melhores condições de vida e, desta forma, proporcionar o desenvolvimento em suas

comunidades.

 

LOCAL DE REALIZAÇÃO DO PROJETO

Será desenvolvido mediante pesquisas e trabalhos de campo na Escola Luiz Cesar e

nas duas unidades produtoras Unidade Otávio Lage, Codora Energia e Jalles Machado S. A. e

na Fundação Jalles Machado.

 

EQUIPE:

Alessandro Romeiro de Jesus – Graduado em Física, especialista em Matemática e Estatística,

especialista em Altas Habilidades e Superdotação. Ministra aulas de Matemática e Física -

(Professor)

Elias Alves de Souza – Graduado em Ciências Biológicas/Pedagogia, mestrando em Estudos

Ambientais – (Professor da Fundação)

Ester Gomes Ferreira – Graduada em Física/ Pedagogia – (Professora)

Martin Gerardo Caeiro – Graduado em Letras/Espanhol – (Professor)

Sirlei Vicente Ferreira Carneiro- Graduada em Pedagogia, pós-graduada em Gestão Escolar e

Psicopedagogia – (Superintendente e Diretora Educacional)

 

MATERIAIS NECESSÁRIOS:

Papel, Isopor, Sucatas, fios, tesouras, madeira e cola;

Banners;

Apostila do Sistema Maxi de Ensino;

Apostila SEBRAE

Livros, revistas e jornais;

Data Show;

Televisão;

Transporte Escolar;

 

AVALIAÇÃO

Espera-se que durante o desenvolvimento do projeto seja despertada nos educandos uma

consciência social solidaria que permita entender e julgar as atitudes e consequências da

sociedade atual.

 

REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS:

ABRAMOVAY, R. Entre deus e o diabo: mercados e interação humana em Ciências Sociais.

Tempo Social: Revista de Sociologia da USP, São Paulo, v. 16, n. 2, p. 35-64, 2004.

ALENCAR, E. Metodologia de pesquisa. Lavras: UFLA, 2007. 93 p.

ALENCAR, E.; MOURA FILHO, J. A. Unidade de produção e administração rural. Informe

Agropecuário, Belo Horizonte, v. 14, n. 157, p. 25-29, 1988.

AMÂNCIO, C. O. G. et al. Diagnóstico rápido participativo como instrumento auxiliar na

gestão de associações de agricultores familiares e agências de desenvolvimento.

AZEVEDO, P. F. Integração vertical e barganha. 1996. 220 p. Tese (Doutorado em

Economia) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 1996.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Agrário. Agricultura familiar no Brasil e o censo

agropecuário 2006. Brasília, 2006. Disponível em:

<http://sistemas.mda.gov.br/arquivos/2246122356.pdf>. Accesso em: 20 jan. 2011.

BROWNE, A. W. et al. Organic production and ethical trade: definition, practice and links.

Food Policy, London, v. 25, n. 1, p. 69-89, Feb. 2000.

CHAYANOV, A. V. La organización de la unidad económica campesina. Buenos Aires:

Nueva Visión, 1974. 132 p.

DURKHEIM, É. Da divisão do trabalho social. São Paulo: Abril Cultural, 1978. 263 p.

GATTI, B. A. Grupo focal na pesquisa em ciências sociais e humanas. Brasília: Líber Livro,

2005. 80 p.

GRANOVETTER, M. Ação econômica e estrutura social: o problema da imersão. RAE-

Eletrônica, São Paulo, v. 6, n. 1, p. 2-41, jan./jun. 2007.

HAGUETTE, T. M. F. Metodologias qualitativas na sociologia. Petrópolis: Vozes, 1987. 163

p.

HOROCHOVSKI, R. R.; MEIRELES, G. Problematizando o conceito de empoderamento. In:

SEMINÁRIO NACIONAL MOVIMENTOS SOCIAIS PARTICIPAÇÃO E

DEMOCRACIA, 2., 2007, Florianópolis. Anais... Florianópolis: Núcleo de Pesquisa em

Movimentos Sociais, 2007.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Cidades@. Disponível em:

<http://www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.htm?1>. Acesso em: 25 abr. 2011.

SEBRAE. O que é e como funciona o Comercio Justo. Disponível em:

<https://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigos/o-que- e-e- como-funciona- o-comercio-

justo,8d3ad1eb00ad2410VgnVCM100000b272010aRCRD> Acesso em 18 Jan. 2017.

SEBRAE. Principais conceitos do Comercio Justo.

<https://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigos/principais-conceitos- do-comercio-

justo,87d5438af1c92410VgnVCM100000b272010aRCRD> Acesso em 18 Jan. 2017

IORIO, C. Algumas considerações sobre estratégias de empoderamento e de direitos. In:

ROMANO, J.; ANTUNES, M. (Org.). Empoderamento e direitos no combate à pobreza. Rio

de Janeiro: ActionAid Brasil, 2002. p. 21-44.

 

Avisos

 - ATENÇÃO - 

Início das aulas no dia 1º de agosto (Quarta-feira).
Os ônibus passarão nos mesmos locais e horários.
Aguardamos por vocês!

logo-jalles-machado

logo-grupo-lage

Rua 35, 600 Primavera I – Goianésia -GO

fjm@fjm.org.br

(62) 3353-2005   (62) 3353-3510

Fale conosco >>

apice-tecnologia